quarta-feira, 20 de setembro de 2017

A Sabedoria é justificada por todos os seus filhos

       Disse Jesus à multidão: «A quem hei-de comparar os homens desta geração? Com quem se parecem? São como as crianças, que, sentadas na praça, falam umas com as outras, dizendo: ‘Tocámos flauta para vós e não dançastes, entoámos lamentações e não chorastes’. Porque veio João Baptista, que não comia nem bebia vinho, e vós dizeis: ‘Tem o demónio com ele’. Veio o Filho do homem, que come e bebe, e vós dizeis: ‘É um glutão e um ébrio, amigo de publicanos e pecadores’. Mas a Sabedoria é justificada por todos os seus filhos» (Lc 7, 31-35).
       Perante um atitude de incredulidade, Jesus sugere uma comparação das pessoas daquele tempo, e deste também, a crianças que se lamentam pelas outras que não aderem às brincadeiras, nem de uma outra forma nem de outra. Nas crianças até se compreendem, por vezes fazem apenas o que lhes apetece e respondem com espontaneidade. Nos adultos, a comparação insinua o cinismo como muitas vezes nos colocamos diante de desafios concretos.
       Indiferença, desprezo pelas propostas dos outros e por tudo o que se apresenta como novidade, sem razões, sem ponderação, simplesmente porque "não fui eu a propor", ou não foi ninguém do meu grupo. Nem quente nem frio, morno. Nem lá vou nem faço míngua. Nem carne nem peixe. Não faço e quando outros fazem não quero saber. Leia-se o comentário do Apocalipse, dirigindo-se à Igreja de Laodiceia: "Conheço as tuas obras: não és frio nem quente. Oxalá fosses frio ou quente. Assim, porque és morno - e não és frio nem quente - vou vomitar-te da minha boca" (Ap 3, 15-16).
       Jesus faz uma constatação face às reações diante de duas maneiras diferentes de cumprir a vontade de Deus, mas que não oferecem muita adesão. João Batista, com a sua forma de vestir e de se situar à margem, ou à entrada do povo, é olhado de lado, como esquisito, estranho; Jesus entra no povo, está com as pessoas, segue um padrão de vida mais normal, mas nem assim é visto com bons olhos, mas com suspeição. Por outras palavras, trata-se de provocar uma reação nas pessoas, de as despertar, de elas fazerem opções...

SS. André Kim Taegon, presbítero, Paulo Chong Hasang e Companheiros, mártires

Nota Biográfica:
       No início do século XVII, por iniciativa de alguns leigos, entrou pela primeira vez a fé cristã na Coreia. Assim se formou uma comunidade forte e fervorosa, sem pastores, quase só conduzida por leigos, até ao ano 1836, durante o qual chegaram os primeiros missionários, vindos de França, que entraram furtivamente na região. Nas perseguições dos anos 1839, 1846 e 1866, surgiram desta comunidade 103 santos mártires, entre os quais se distinguem o primeiro presbítero e ardente pastor de almas André Kim Taegon e o insigne apóstolo leigo Paulo Chong Hasang. Os outros são quase todos leigos, homens e mulheres, casados ou não, anciãos, jovens e crianças, que, suportando o martírio, consagraram com o seu glorioso sangue os florescentes primórdios da Igreja coreana.
Oração de colecta:
        Deus, criador e salvador de todos os povos, que, nas terras da Coreia, de modo admirável chamastes à fé católica um povo de adopção filial e o fizestes crescer pelo glorioso testemunho dos santos mártires André, Paulo e seus companheiros, concedei que, a seu exemplo e por sua intercessão, também nós permaneçamos até à morte fiéis aos vossos mandamentos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.
Da última exortação de Santo André Kim Taegon, presbítero e mártir

A fé é coroada pelo amor e pela perseverança

Irmãos e amigos caríssimos, pensai e refleti atentamente: No início dos tempos, Deus criou o céu e a terra e todo o universo; meditai por que razão e com que finalidade Ele formou o homem à sua imagem e semelhança, como diz a Escritura.
Portanto, se neste mundo de perigos e misérias, não reconhecêssemos o Senhor como nosso criador, de nada nos aproveitaria ter nascido e continuar a viver. Viemos a este mundo pela graça de Deus; pela graça de Deus recebemos o Batismo e entrámos na Igreja, tornando-nos discípulos do Senhor e adquirindo um nome glorioso. Mas de que serviria tão grande nome sem a verdadeira realidade? Perderia de facto todo o sentido ter vindo ao mundo e entrado na Igreja; mais ainda, seria uma ofensa ao Senhor e à sua graça. Mais valeria não ter nascido do que receber a graça do Senhor e pecar contra Ele.
Considerai o agricultor que faz a sementeira no seu campo: em tempo oportuno lavra a terra; depois aduba a e lança a semente, não se poupando a canseiras sob o ardor do sol. Quando chega o tempo da colheita, se encontra as espigas cheias de grão, exulta de alegria, esquecendo os trabalhos e suores. Mas se as espigas estão vazias e nada resta senão palha e cascas, então o agricultor, recordando a dureza dos trabalhos e suores, tanto mais decididamente abandona o campo quanto mais cuidadosamente o cultivara.
De modo semelhante, o Senhor faz do mundo o seu campo: nós somos o seu arroz; o adubo é a graça; mediante a Encarnação e Redenção Ele nos rega com o seu Sangue, para que possamos crescer e chegar à maturidade. Quando chegar o tempo da colheita, no dia do Juízo, quem estiver amadurecido pela graça gozará a felicidade no reino dos Céus, como filho adoptivo de Deus; mas aquele que não estiver amadurecido será seu inimigo, embora tenha sido, também ele, filho adoptivo de Deus, e merecerá ser punido com o castigo eterno.
Sabeis, irmãos caríssimos, que Nosso Senhor Jesus Cristo, vindo ao mundo, suportou inúmeras dores e pela sua Paixão fundou a santa Igreja, que continua a aumentar pela paixão dos seus fiéis. Por mais que os poderes deste mundo a oprimam e combatam, nunca poderão prevalecer. Depois da Ascensão de Jesus, desde os tempos dos Apóstolos até aos nossos dias, a santa Igreja por toda a parte cresceu no meio das tribulações.
Pois bem. Durante estes cinquenta ou sessenta anos, isto é, desde que a santa Igreja entrou na nossa Coreia, os fiéis sofreram constantes perseguições; e ainda hoje grassa o furor da perseguição, de tal modo que numerosos amigos foram encarcerados pela mesma fé, como eu próprio, e também vós permaneceis no meio da tribulação. Uma vez que formamos um só corpo, como não estar tristes no íntimo do coração? Como deixar de experimentar o sentimento humano desta separação dolorosa?
No entanto, como diz a Escritura, Deus vela pelo mais pequeno cabelo da nossa cabeça e toma o a seu cuidado na sua omnisciência; portanto, como poderemos considerar tão grande perseguição, senão como ordem de Deus ou sua recompensa ou porventura seu castigo?
Aceitai portanto a vontade de Deus e combatei corajosamente pelo capitão divino Jesus e vencei o demónio neste mundo, já vencido por Cristo.
Peço-vos, irmãos: não negligencieis o amor fraterno, mas ajudai vos mutuamente e sede perseverantes até que o Senhor tenha piedade de nós e afaste a tribulação.
Estamos aqui vinte pessoas e pela graça de Deus ainda todos se encontram de saúde. Se algum for morto, peço-vos que não vos esqueçais da sua família. Tenho muitas coisas a dizer-vos, mas como posso exprimi-las com papel e tinta? Termino a carta. Como estamos já próximos do combate, rogo-vos que vivais firmes na fé, de modo que um dia entremos no Céu e lá nos encontremos para gozar da alegria comum. Despeço-me com o ósculo do meu amor.

São Cipriano A Nova em Santa Eufémia | Pinheiros 2017

Banda de Música de São Cipriano "A Nova" na festa e romaria de Santa Eufémia de Pinheiros. No vídeo, alguns momentos na despedida, no dia 17 de setembro de 2017:

Peregrinação ao Recinto de Nª Sª da Conceição | 2017

       A primeira edição desta Peregrinação realizou-se a 7 de setembro de 2014, ainda que o clima não tivesse permitido a celebração da Eucaristia no recinto, o que veio a suceder em 6 de setembro de 2015, a 4 de setembro de 2016 e, este ano, a 3 de setembro de 2017.
       Durante o trajeto processional, a recitação do Rosário, com cânticos alusivos a Nossa Senhora. Para as pessoas com mais dificuldade de mobilidade, a disponibilidade de transporte camarário. O andor de Nossa Senhora da Conceição foi transportado pelos Bombeiros, da Igreja ao Quartel, onde, como no Seu dia, se prestou homenagem, através do toque da sirene, prosseguindo num carrinha de caixa aberta, preparado para o efeito. No regresso, a mesma opção, em carrinha até ao Quartel, em ombros do Quartel até à Igreja Matriz.
       Pelo meio, fica o agradecimento à generosidade de todos os que estiveram envolvidos na celebração, no arranjo do andor e do recinto, na preparação do necessário à Missa em ambiente campal, som, guarda-sóis, alfaias litúrgica, animação coral durante a Procissão e na celebração da Santa Missa e, contando também, com o habitual envolvimento da Guarda Nacional Republicana no ordenamento do trânsito.
       Com o regresso à Igreja Matriz, a oração do Angelus, com que terminou a celebração.

FOTOS - Paróquia de Tabuaço - Sara Santos
MÚSICA de fundo: Mendigo de Deus - Maria, a tua vida me seduz.

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Jovem, Eu te ordeno: levanta-te

        Dirigia-Se Jesus para uma cidade chamada Naim; iam com Ele os seus discípulos e uma grande multidão. Quando chegou à porta da cidade, levavam um defunto a sepultar, filho único de sua mãe, que era viúva. Vinha com ela muita gente da cidade. Ao vê-la, o Senhor compadeceu-Se dela e disse-lhe: «Não chores». Jesus aproximou-Se e tocou no caixão; e os que o transportavam pararam. Disse Jesus: «Jovem, Eu te ordeno: levanta-te». O morto sentou-se e começou a falar; e Jesus entregou-o à sua mãe. Todos se encheram de temor e davam glória a Deus, dizendo: «Apareceu no meio de nós um grande profeta; Deus visitou o seu povo». E a fama deste acontecimento espalhou-se por toda a Judeia e pelas regiões vizinhas (Lc 7, 11-17).
       A fama de Jesus vai-se espalhando por toda a parte. Deus está entre nós, Deus visitou o Seu povo. As palavras, os gestos, a denúncia dos abusos dos poderosos, a intervenção a favor dos mais desprotegidos da sociedade, o acolhimento dos marginalizados da sociedade, da religião e da vida, o convívio com a "escumalha", a cura de doentes, o diálogo com todas as pessoas, o expulsar e exorcizar de todas as forças demoníacas/diabólicas, a salvação que se alarga e comunica aos estrangeiros, como ontem ao Centurião, representante da autoridade colonizadora, curando o seu servo, as companhias que traz conSigo, a delicadeza diante de pessoas magoadas com a vida, o perdão dos pecados a quem já não se considera digno, tudo isto fazem d'Ele uma pessoa querida e querida sobretudo das pessoas mais simples. Dos simples e puros de coração será o reino de Deus.
       Jesus passa por nós e cura-nos. Jesus ia a passar e, vendo o sofrimento atroz daquela mãe, não poderia ficar indiferente. Nem foi preciso que alguém viesse interceder. Sendo viúva, e perdendo agora o filho, aquela mãe perdia o seu maior e único tesouro e socialmente ficaria totalmente exposta, não teria nenhuma forma de sustento que não fosse mendigar esmolas. Jesus reabilita esta mãe ressuscitando-lhe o filho, antecipando  e visualização a Sua ressurreição.

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Não sou digno que entreis em minha morada...

       Um centurião tinha um servo a quem estimava muito e que estava doente, quase a morrer. Tendo ouvido falar de Jesus, enviou-Lhe alguns anciãos dos judeus para Lhe pedir que fosse salvar aquele servo. Quando chegaram à presença de Jesus, os anciãos suplicaram-Lhe insistentemente: «Ele é digno de que lho concedas, pois estima a nossa gente e foi ele que nos construiu a sinagoga». Jesus acompanhou-os. Já não estava longe da casa, quando o centurião Lhe mandou dizer por uns amigos: «Não Te incomodes, Senhor, pois não mereço que entres em minha casa, nem me julguei digno de ir ter contigo. Mas diz uma palavra e o meu servo será curado. Porque também eu, que sou um subalterno, tenho soldados sob as minhas ordens. Digo a um ‘Vai’ e ele vai; e a outro ‘Vem’ e ele vem; e ao meu servo ‘Faz isto’ e ele faz». Ao ouvir estas palavras, Jesus sentiu admiração por ele e, voltando-se para a multidão que O seguia, exclamou: «Digo-vos que nem mesmo em Israel encontrei tão grande fé». Ao regressarem a casa, os enviados encontraram o servo de perfeita saúde (Lc 7, 1-10).
        O encontro de Jesus com o Centurião (por intermédio dos seus emissários) mostra como é fundamental a tolerância e a colaboração com aqueles que não fazem parte da nossa religião, da nossa ideologia, do nosso partido, do nosso grupo. Por um lado a abertura do Centurião, um homem justo, honesto, crente, que ora ajuda os judeus, apesar de estar em nome da força dominadora, ora recorre a Jesus, depois de ter ouvido maravilhas acerca d'Ele, pedindo auxílio, não para si ou para a sua família, mas para um dos seus criados a quem ele estima.
       Por outro lado, Jesus mostra claramente que não é preciso ser judeu, pertencer a esta ou àquela religião para se ser bom e para fazer o bem. É um convite à tolerância, à compreensão, ao acolhimento do bem que nos chega dos outros, uma vez que todo o bem nos aproxima de Deus. Mas isso não alivia a nossa responsabilidade, todos podem ser bons, mas pelo facto de sermos cristãos a nossa consciência deve estar ainda mais apurada...
       O testemunho que Jesus dá acerca do centurião foi assumido e sublinhado pela Igreja, incluindo na Eucaristia a sua profissão de fé: "Não Te incomodes, Senhor, pois não mereço que entres em minha casa, nem me julguei digno de ir ter contigo. Mas diz uma palavra e o meu servo será curado" (na Liturgia: "Senhor, eu não sou digno de que entreis em minha morada, mas dizei um palavra e eu serei salvo").

sábado, 16 de setembro de 2017

Domingo XIV do Tempo Comum - ano A - 17.09.2017

       1 – Aí está a pergunta de Pedro: «Se meu irmão me ofender, quantas vezes deverei perdoar-lhe? Até sete vezes?».
       No evangelho do domingo passado verificámos como a comunidade procurou perceber, acolher e traduzir os ensinamentos de Jesus. Com criatividade e realismo, no contexto concreto e real, ajustando o ideal ao possível. Hoje vemos como a pergunta de Pedro aponta para algo grandioso, sabendo que perdoar nunca é fácil, menos ainda quando são os nossos amigos a ofender-nos ou quando colocam em causa a nossa honorabilidade. A comunidade percebeu que para ser fiel a Jesus tinha que dar segundas e terceiras oportunidades. A pergunta de Pedro, mesmo sem o simbolismo subjacente, vai mais longe. Perdoar até 7 vezes? Impossível. Uma vez, duas vezes! À terceira começa a ser demais, pois há que manter a dignidade! Três vezes ou mais já é perder a face e deixar abusar. 7 vezes? Só se fosse a 7 pessoas diferentes e em diferentes ocasiões! Mas o SETE, na linguagem semita, vale por plenitude, perfeição, ou seja, sempre.
       Ora a resposta de Jesus é ainda mais taxativa: «Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete».
       Façamos as contas que, em termos matemáticos, são fáceis de fazer: 70X7=490 vezes. Muitos "perdões"! Mas novamente a linguagem semita e o seu significado: 70X7 = SEMPRE! Pedro já apontava para um perdão sem limites, mostrando a Jesus que tinha aprendido bem a lição e que já era capaz de ver além do seu umbigo. Porém, Jesus aponta para o infinito, para que não haja ajustes ou negociações ou interpretações personalizadas à medida de quem lê ou de quem escuta. SEMPRE. É a medida do amor, é a medida de Jesus, a medida de Deus. Sem ajustes nem reservas!
       2 – A fé não é um discurso (meramente) intelectual, uma elaboração racional. É vida concreta. Jesus enxerta-Se na história, assumindo a nossa carne humana e a nossa linguagem. Fala-nos sobretudo com a Sua vida. Obviamente que a fé precisa de ser inteligível, mistério que acolhemos e sobre o qual precisamos de refletir, perceber e de assimilar. Ainda que, como mistério, nos escape e ultrapasse qualquer aprisionamento racional.
       A comunicação de Jesus procura "democratizar" o acesso ao reino de Deus, mas também a perceção sobre o mesmo. O reino de Deus é para todos, não para um grupo privilegiado, uma elite. Esse é também o combate de Jesus com alguns líderes religiosos, que nem entram nem deixam entrar, complicando, sendo os intérpretes exclusivos da Lei e da vontade de Deus. Jesus eleva a fasquia. Os filhos apresentam-se diante de um Pai, não de um Juiz prepotente e surdo! Os juízos do Pai são preenchidos de ternura e misericórdia, de compaixão e de caridade.
       Mestre da Sensibilidade, Jesus fala da vida e de modo a que todos possamos perceber. Não se enrola num emaranhado de argumentos. Ao responder a Pedro, como em tantas outras ocasiões, Jesus conta uma estória. O reino de Deus pode comparar-se a um rei que quer ajustar contas com os seus servos. À sua presença é levado um homem que lhe deve 10 mil talentos. Uma fortuna. Não tendo com que pagar, será vendido com a mulher, os filhos e as suas posses. Perante a iminência da desgraça, este homem suplica ao rei compreensão e tempo para saldar a dívida. O rei despe a capa do poder e enche-se de compaixão! Perdoa-lhe toda a dívida.
       Pelo caminho, o homem a quem foi perdoada a dívida encontra um companheiro que lhe deve uma ninharia: cem denários! A alegria e a gratidão deveriam agora ser o seu alimento e o seu vestuário. Mas prevalece a ganância e, tendo em conta o muito que lhe foi perdoado, não é capaz de fazer o mesmo com o seu companheiro, mandando-o prender. Este é também um drama do nosso tempo: muitas vezes a quem deve são-lhe também retiradas as possibilidades de pagar! A parábola termina com os companheiros a irem à presença do seu senhor, contando-lhe o sucedido, revoltados com a desmedida com que aquele servo tinha sido beneficiado e a exigência para com o companheiro sobre uma pequena dívida. 
       3 – Nós também cabemos dentro da parábola. Eu e tu. Enquanto Jesus fala não podemos assobiar para o lado como se não fosse nada connosco. Ele fala para os discípulos, isto é, fala para nós. Para todos. Para cada um. Sem exceção.
       Na parábola, a reação do rei é elucidativa: «Servo mau, perdoei-te tudo o que me devias, porque mo pediste. Não devias, também tu, compadecer-te do teu companheiro, como eu tive compaixão de ti?» Então o senhor entregou-o aos verdugos até que a dívida seja saldada.
       Depois da parábola vem a conclusão! O próprio Jesus avisa e desafia: «Assim procederá convosco meu Pai celeste, se cada um de vós não perdoar a seu irmão de todo o coração». O perdão de Deus para connosco é absoluto, sem reservas nem condições! Acolhendo-O na nossa vida, o caminho a percorrer terá de ser conforme ao Seu proceder: perdoar sempre.

       4 – Perdoar faz-nos bem à saúde. Liberta-nos para viver. Quem não perdoa amargura-se mais e mais. Cisma e deixa de pensar a alegria de viver, de confiar, de apreciar o que os outros têm de bom, perde a capacidade de se esgotar positivamente a favor de alguém, a favor dos outros. A amargura é doentia. Claro que temos o direito de ficar magoados com o mal que nos fazem, mas perdemo-nos se não formos capazes de fazer o luto sobre a ofensa. Não se trata de esquecer, mas de querer, de querer viver, de querer compreender, de querer amar, apesar de tudo.
       Ben Sirá alerta para o erro daquele que guarda rancor. Deus pedirá contas a quem se vinga do seu irmão. «Perdoa a ofensa do teu próximo e... as tuas ofensas serão perdoadas». Interroga-se o sábio: «Um homem guarda rancor contra outro e pede a Deus que o cure? Não tem compaixão do seu semelhante e pede perdão para os seus próprios pecados?», desafiando-nos: «lembra-te do teu fim e deixa de ter ódio; pensa na corrupção e na morte, e guarda os mandamentos».

       5 – No salmo respondemos à Palavra de Deus com a própria Palavra de Deus. E hoje o salmo faz-nos ver a grandeza do perdão e da misericórdia do Senhor de tal que nos sintamos reconfortados e disponíveis para transparecer a Sua ternura. Ele perdoa os nossos pecados e cura as nossas enfermidades. Não guarda ressentimento e não nos julga segundo os nossos pecados, mas segundo a Sua misericórdia. «Como o Oriente dista do Ocidente, assim Ele afasta de nós os nossos pecados».
       Se o nosso coração se abrir à misericórdia de Deus, Ele não levará em conta o nosso pecado. Com efeito, Deus quer a conversão do pecador, não a sua morte. Quer-nos como filhos. Tanto nos quer, que nos dá Jesus. Em Jesus, o Seu amor vai até ao último suspiro!

       6 – Na Carta aos Romanos, que temos vindo a ler, São Paulo remete-nos para a imitação do amor de Jesus Cristo. Na verdade, Cristo morreu e ressuscitou, tornando-se Senhor dos vivos e dos mortos. A soberania de Deus é visível, no tempo e na história, na pessoa de Jesus, nas Suas palavras e gestos, na Sua vida. Oferece-se, gastando a Sua vida por nós. Deus Pai ressuscita-O sancionando a Sua postura, o Seu jeito de amar e perdoar, o Seu jeito de agir e Se dar, por inteiro, a todos.
       Somos discípulos, aprendamos com Ele a dar a vida, a cuidar dos outros, sobretudo dos mais frágeis. Como cristãos não vivemos para nós, «se vivemos, vivemos para o Senhor, e se morremos, morremos para o Senhor. Portanto, quer vivamos quer morramos, pertencemos ao Senhor».
       É a nossa vocação e o nosso compromisso, viver para o Senhor, sintonizados com o Seu amor, com a Sua compaixão.


Pe. Manuel Gonçalves



Textos para a Eucaristia (ano A): Sir 27, 33 – 28, 9; Sl 102 (103); Rom 14, 7-8; Mt 18, 21-35.

Pinheiros: Festa e Romaria de Santa Eufémia

       Santa Eufémia, virgem e mártir, recolhe a veneração de um mar de gente, um pouco por todo o mundo, em muitas terras portuguesas, sendo-lhe dedicados santuários, igrejas, capelas.
       É a padroeira da paróquia de Pinheiros, concelho de Tabuaço, Diocese de Lamego. Há muito que a sua festa se converteu numa importante romaria para as paróquias do concelho, mas igualmente para outras paróquias vizinhas, de Armamar e de Moimenta da Beira.
       Saliente-se, contudo, que ao longo de todo ano se deslocam a Pinheiros pessoas de diversas proveniências, cumprindo promessas, fazendo votos, agradecendo as graças concedidas por sua intercessão, oferendo a Sagrada Eucaristia em honra de Santa Eufémia.
       Morreu num tempo de grande perseguição à Igreja, em 16 de Setembro de 304. Muitos foram mortos só por serem cristãos e assumirem sem medo a sua fé.
       Santa Eufémia, Santa Bárbara, Santa Marinha, Santa Inês, Santa Luzia, Santa Catarina de Alexandria, São Lourenço, São Sebastião, São Cornélio e São Cipriano, que a Igreja celebra a 16 de setembro, e tantos homens e mulheres que desde que morreram foram venerados como santos e cuja devoção se preservou e acentuou ao longo dos tempos. O fervor com que nos dirigimos a Santa Eufémia, confirma-nos na certeza de que a sua vida é um exemplo a seguir e que a sua intercessão nos faz sentir mais próximos do Senhor.
       A palavra mártir aponta imediatamente para o que significa, testemunha, neste caso, testemunha da fé em Jesus Cristo. Assim sendo, cada cristão há-de chegar a ser mártir, uma vez que é testemunha da fé, da intimidade e da vivência em Jesus Cristo. Mas depois há alguns testemunhos que se tornaram mais eloquentes porque tiveram que dar a vida por causa da sua fé em Jesus Cristo.
       O próprio Jesus Cristo testemunhou a Verdade, a Vida, a Fé em Deus Pai, com a Sua Mensagem mas também com a sua Morte. Depois d’Ele muitos outros, muitos outros não temeram a ofensa, a perseguição, a morte, por amor ao Mestre dos Mestres, sendo cristãos pela vida e pela morte.
       Eufémia nasceu à volta do ano 288, na cidade de Calcedónia.
       A família era nobre e respeitável. Procurava viver e ensinar os ideais cristãos.
       Com o imperador Diocleciano, as perseguições do império aos cristãos acentuam-se. Eufémia testemunha a crueldade nas acusações, nas torturas e na morte de muitos cristãos, só por terem esse nome. Não fraqueja. Os mártires incentivam-na a também se apresentar como cristã, pronta para o sacrifício, por amor a Jesus Cristo.
        Prisco, o procônsul, juiz perseguidor, dá-lhe a oportunidade, como jovem, bela e nobre, de renunciar à sua fé. Eufémia mantém-se firme, sofrendo, por isso, diversos tormentos. Não vacila.
       Diz o grande Santo Ambrósio: “A santa e gloriosa Eufémia conservou a virgindade e mereceu ser cingida com a coroa do martírio. Pelas suas preces o inimigo foi vencido, o adversário Prisco eliminado, a virgem tirada do fogo da fornalha, sã e salva, as pedras duras transformadas em pó, as feras amansaram-se e submeteram-se, todos os suplícios foram superados pela oração; por fim, trespassada pela espada, deixou a prisão da carne e, jubilosa, juntou-se ao coro celeste…”
       A fama da sua santidade, rapidamente se espalhou. O corpo, incorruptível, foi preservado, em Calcedónia. Em 620, com a perseguição dos persas, os cristãos mudaram o seu corpo para Constantinopla, para uma Igreja mandada construir em sua honra por Constantino, imperador romano. Com imperador Nicetor, que era contra símbolos religiosos, os cristãos temeram que os restos mortais de Santa Eufémia desaparecessem. A lenda refere que numa noite de tempestade, o sarcófago desapareceu da cidade. Talvez tenha sido levado por pescadores cristãos. Em Julho de 800, deu à costa em Rovinj, onde se encontra à veneração, na atual Croácia. O Sarcófago trazia dentro um pergaminho: “… este é o corpo de Santa Eufémia de Calcedónia, virgem e mártir de Calcedónia, filha do nobre senador, nascida para o céu em 16 de Setembro de 304, Ano do Senhor” (304 AD).
       É considerada a protetora da pele.

(FONTE: apresentação da Novena e resenha biográfica, edição publicada em 2009, disponível na Paróquia de Pinheiros).

São Cornélio, Papa, e São Cipriano, Bispo

São Cornélio:
       Foi papa de 251 a 253, eleito 14 meses depois do Papa São Fabião ter sido morto. As perseguições à Igreja era devastadoras.
       São Cipriano disse acerca de São Cornélio: “Depois de ter sido elevado à dignidade episcopal,... por vontade de Deus, ...quanta fé, quanta virtude e quanta resolução mostrou no valor com que tomou a cadeira episcopal, no tempo em que o tirano, inim igo dos bispos de Deus, sofreria de melhor vontade um competidor ao trono, do que um bispo de Roma…” 
       Padeceu diversos tormentos, mas confessou sempre a fé em Jesus Cristo. Cansou os juízes e os verdugos. Condenaram-no à morte, e foi morto a 14 de Setembro de 253.

São Cipriano
       É uma das figuras maiores da Igreja dos primeiros séculos. Foi bispo de Cartago de 249 a 258. Terá nascido em 210. Antes da conversão era professor. Foi baptizado cerca do ano 245 e desde então procurou levar uma vida santa. Pelo seu valor e virtude, tornou-se chefe dos cristãos de África, reunindo à sua volta cerca de 100 bispos.
       A perseguição ao cristianismo levou-o à morte. Foi condenado à espada. Chegou ao local da execução, tirou o manto, prostrou-se por terra e rezou… quando chegou o carrasco, Cipriano mandou que lhe dessem 25 moedas de ouro para o animarem. Os cristão presentes estenderam lençóis e toalhas em seu redor. Colocou ele mesmo a venda nos olhos e um sacerdote, Juliano, com um subdiácono, atou-lhe as mãos, a seu pedido, porque ele o não podia fazer. Assim foi morto à espada.

Oração de colecta:
       Senhor, que destes ao vosso povo, em São Cornélio e São Cipriano, pastores dedicados e mártires invencíveis, concedei-nos, por sua intercessão, que, fortalecidos pela fé, trabalhemos incansavelmente pela unidade da Igreja. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.
Das Cartas de São Cipriano, bispo e mártir

Fé generosa e firme

Cipriano a Cornélio, irmão no episcopado.
Tivemos conhecimento, irmão caríssimo, do glorioso testemunho da vossa fé e fortaleza, e a glória da vossa pública confissão de fé deu-nos tanta alegria que nos consideramos participantes e companheiros dos vossos méritos e louvores. De facto, se formamos todos uma só Igreja, se temos um só coração e uma só alma, qual é o sacerdote que não se congratula com a glória de outro sacerdote, como se fosse própria, e qual é o irmão que não se alegra com a felicidade dos seus irmãos?
Não se pode exprimir suficientemente a alegria e o contentamento que aqui se manifestaram, quando fomos informados da vossa vitória e fortaleza, quando soubemos que vós fostes um verdadeiro chefe dos irmãos na confissão da fé e que a mesma confissão de fé do chefe foi confirmada pela confissão dos irmãos. Deste modo, sendo o primeiro a caminhar para a glória, levastes muitos companheiros a participar da mesma glória; e sendo o primeiro a confessar a fé em nome de todos, persuadistes o povo à confissão da mesma fé. Não sabemos o que mais havemos de louvar em vós, se a vossa fé generosa e inquebrantável, se a inseparável caridade dos irmãos. Assim se manifestou publicamente a coragem do bispo à frente do seu povo e se afirmou claramente a fidelidade do povo em plena solidariedade com o seu bispo. Em vós toda a Igreja de Roma deu um magnífico testemunho, unida num só coração e numa só voz.
Brilhou em todo o seu esplendor, irmão caríssimo, a fé que o Apóstolo elogiava na vossa comunidade. Já então ele previa em espírito esta gloriosa coragem e fortaleza. Já então, anunciando o futuro, celebrava a glória dos vossos méritos e, exaltando os louvores dos pais, estimulava a coragem dos filhos. Com a vossa perfeita concórdia e com a vossa fortaleza, destes a todos os cristãos um magnífico exemplo de união e constância.
Irmão caríssimo, a providência do Senhor nos adverte que está iminente a hora do nosso combate. A bondade divina nos vai prevenindo, com salutares inspirações, de que se aproxima o dia da nossa prova. Por isso, em nome da caridade que nos une, ajudemo-nos uns aos outros, perseverando assiduamente com todo o povo nos jejuns, vigílias e orações. Estas são as nossas armas celestes que nos conservam firmes, fortes e perseverantes. Estes são os dardos espirituais e os baluartes divinos que nos protegem.
Lembremo-nos uns dos outros, em perfeita concórdia e unidade de espírito; oremos sempre e em toda a parte uns pelos outros; e procuremos aliviar esta hora de tribulação e angústia com a nossa mútua caridade.

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

NOVENA DE SANTA EUFÉMIA | 9.º dia | 15.09.2017

Nossa Senhora das Dores

       "Estavam junto à cruz de Jesus sua Mãe, a irmã de sua Mãe, Maria, mulher de Cleófas, e Maria Madalena. Ao ver a sua Mãe e o discípulo predilecto, Jesus disse a sua Mãe: «Mulher, eis aí o teu filho». Depois disse ao discípulo: «Eis aí a tua Mãe». E a partir daquela hora, o discípulo recebeu-a em sua casa" (Jo 19, 25-27).

       "O pai e a mãe do Menino Jesus estavam admirados com o que se dizia d’Ele. Simeão abençoou-os e disse a Maria, sua Mãe: «Este Menino foi estabelecido para que muitos caiam ou se levantem em Israel e para ser sinal de contradição; – e uma espada trespassará a tua alma – assim se revelarão os pensamentos de todos os corações» (Lc 2, 33-35).
       A memória de Nossa Senhora das Dores mostra-nos o drama desta Mãe e de tantas mães que sofrem mais pelo que os filhos passam que pelas suas próprias dores. Maria acompanha o Seu Filho até à morte, prisão, acusação, mal tratos, crucifixão, escárnio. Jesus dá-nos Maria por Mãe, e confia-nos a Maria, como filhos.
       Depois de morto, colocam Jesus nos braços de Maria, sua Mãe. Os mesmos braços que O acariciaram ao nascer, O acolhem depois de morrer.

Oração de Colecta:
       Senhor, que, na vossa admirável providência, quisestes que, junto do vosso Filho, elevado sobre a cruz, estivesse sua Mãe, participando nos seus sofrimentos, concedei à vossa Igreja que, associada com Maria à paixão de Cristo, mereça ter parte na sua ressurreição. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

NOVENA DE SANTA EUFÉMIA | 8.º dia | 14.09.2017

Festa da Exaltação da Santa Cruz

"Cristo Jesus, que era de condição divina,
não Se valeu da sua igualdade com Deus,
mas aniquilou-se a Si próprio.
Assumindo a condição de servo,
tornou-Se semelhante aos homens.
Aparecendo como homem,
humilhou-se ainda mais,
obedecendo até à morte e morte de cruz"
(Filp 2, 6-11).
Nota histórica:
       Foi na Cruz que Jesus Cristo ofereceu ao Pai o Seu Sacrifício, em expiação dos pecados de todos os homens. Por isso, é justo que veneremos o sinal e o instrumento da nossa libertação.
       Objecto de desprezo, patíbulo de infâmia, até ao momento em que Jesus «obediente até à morte» nela foi suspenso, a Cruz tornou-se, desde então, motivo de glória, pólo de atracção para todos os homens.
       Ao celebrarmos esta festa, nós queremos proclamar que é da cruz, «sinal do amor universal de Deus, fonte de toda a graça» (N.A., 4) que deriva toda a vida de Igreja. Queremos também manifestar o nosso desejo de colaborar com Cristo na salvação dos homens, aceitando a Cruz, que a carne e o mundo fizeram pesar sobre nós (G.S. 38).

Oração de Colecta:
       Senhor, que, na vossa infinita misericórdia, quisestes que o vosso Filho sofresse o suplício da cruz para salvar o género humano, concedei que, tendo conhecido na terra o mistério de Cristo, mereçamos alcançar no Céu os frutos da redenção. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

NOVENA DE SANTA EUFÉMIA | 7.º dia | 13.09.2017

Bem-aventuranças....

       Jesus, erguendo os olhos para os discípulos, disse:
       «Bem-aventurados vós, os pobres, porque é vosso o reino de Deus. Bem-aventurados vós, que agora tendes fome, porque sereis saciados. Bem-aventurados vós, que agora chorais, porque haveis de rir. Bem-aventurados sereis, quando os homens vos odiarem, quando vos rejeitarem e insultarem e proscreverem o vosso nome como infame, por causa do Filho do homem. Alegrai-vos e exultai nesse dia, porque é grande no Céu a vossa recompensa.
       Era assim que os seus antepassados tratavam os profetas.
        Mas ai de vós, os ricos, porque já recebestes a vossa consolação! Ai de vós, que agora estais saciados, porque haveis de ter fome! Ai de vós, que rides agora, porque haveis de entristecer-vos e chorar! Ai de vós, quando todos os homens vos elogiarem!
       Era assim que os seus antepassados tratavam os falsos profetas» (Lc 6, 20-26).
        As bem-aventuranças, como a oração do Pai-nosso, encerram, de forma sintética, simples e clara, todo o Evangelho de Jesus Cristo, ou, pelo menos, o essencial da Sua mensagem.
       São um programa de vida. Para todos.
       O reino de Deus é daqueles e daquelas que estiverem dispostos a dar o melhor de si mesmos, abrindo-se à vida, acolhendo as intempéries do presente e do futuro com a mesma humildade e generosidade que as conquistas, procurando, em cada situação, retirar uma lição de vida, ajudando os outros, vivendo numa lógica de amor sem fim, perdoando as fragilidades próprias e alheias, convertendo-se à verdade, vivendo honestamente, identificando-se com Jesus Cristo, tornando-se, em gestos e palavras, um hino de louvor constante a Deus, confiando no bem, na justiça, em Deus. Assumindo o passado, mas voltados para o futuro, vivendo com alegria no presente.
       Bem-aventurados todos os que vivem, aspirando às coisas do alto, como nos refere hoje São Paulo, não apenas nos momentos fáceis da vida mas em todos os momentos.

São João Crisóstomo, Bispo e doutor da Igreja

Nota biográfica:
       Nasceu em Antioquia, cerca do ano 349. Depois de ter recebido uma excelente educação, dedicou se à vida ascética; e, tendo sido ordenado sacerdote, consagrou se com grande fruto ao ministério da pregação. Eleito bispo de Constantinopla no ano 397, revelou grande zelo e competência nesse cargo pastoral, atendendo em particular à reforma dos costumes, tanto do clero como dos fiéis. A oposição da corte imperial e de outros inimigos pessoais levou o por duas vezes ao exílio. Perseguido por tantas tribulações, morreu em Comana (Ponto, Ásia Menor) no dia 14 de Setembro do ano 407. A sua notável diligência e competência na arte de falar e escrever, para expor a doutrina católica e formar os fiéis na vida cristã, mereceu lhe o apelativo de Crisóstomo, «boca de ouro».

Oração de (coleta):
       Senhor, fortaleza dos que esperam em Vós, que destes ao bispo São João Crisóstomo uma eloquência maravilhosa e uma grande coragem nas tribulações, concedei-nos que, iluminados pela sua sabedoria, nos fortaleça o exemplo da sua invencível constância. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


São João Crisóstomo, Antes de partir para o exílio

Para mim, viver é Cristo e morrer é lucro

Muitas vagas e fortes tempestades nos ameaçam, mas não tememos ser submergidos, porque nos apoiamos na rocha firme. Por mais que se enfureça o mar, nunca poderá quebrar esta rocha; por mais que se levantem as ondas, nunca poderão afundar a nau de Jesus. Que havemos de temer? A morte? Para mim, viver é Cristo e morrer é lucro. O exílio? Do Senhor é a terra e tudo o que nela existe. A confiscação dos meus bens? Nada trouxemos para este mundo e também nada daqui podemos levar. Para mim, os perigos deste mundo só merecem desprezo, e os seus bens não passam do ridículo. Não temo a pobreza nem ambiciono riquezas; não receio a morte nem desejo viver, senão para vosso proveito. Por isso, ao recordar vos a situação presente, exorto a vossa caridade para que tenha confiança.
Não ouvis a palavra do Senhor: Onde dois ou três se reúnem em meu nome, Eu estou no meio deles? E não estará presente o Senhor no meio de um povo tão numeroso, unido pelos vínculos da caridade? Estarei eu porventura confiado nas minhas próprias forças? Não. Eu tenho a promessa do Senhor, tenho comigo a sua palavra escrita: este é o meu bordão, esta é a minha segurança, este o meu porto tranquilo. Ainda que todo o mundo se perturbe, eu tenho a sua resposta por escrito, leio a sua Escritura: esta é a minha muralha, esta é a minha fortaleza. Que diz a Escritura? Eu estou convosco todos os dias até ao fim do mundo.
Cristo está comigo; a quem hei de temer? Ainda que se lancem contra mim as ondas do mar ou o furor dos príncipes, tudo isto para mim é mais desprezível do que uma teia de aranha. E se a vossa caridade me não retivesse aqui, não recusaria partir hoje mesmo para onde quer que fosse. Porque sempre estou dizendo: Senhor, seja feita a vossa vontade; não o que quer este ou aquele, mas o que Vós quereis que eu faça. Esta é a torre que me abriga, esta é a pedra firme que me sustenta, este é o bordão que não me deixa vacilar. Seja o que Deus quiser. Se Ele quer que eu permaneça aqui, fico Lhe agradecido. Se me chama para qualquer outro lado, sempre Lhe darei graças.
Onde eu estiver, ali estareis vós também; e onde estiverdes vós, ali estarei também eu. Somos um só corpo; e nem o corpo se separa da cabeça, nem a cabeça do corpo. Ainda que estejamos em lugares distantes, ficamos sempre unidos pela caridade e nem a própria morte poderá separar-nos. Porque o corpo morre, mas a alma sobrevive; e a minha alma sempre se recordará do meu povo.
Esta é a minha pátria e a minha família; vós sois os meus pais, meus irmãos e meus filhos; sois membros do mesmo corpo; sois a minha luz, uma luz mais amável que a luz do dia. Que brilho pode haver para mim mais agradável que a vossa caridade? O brilho da luz do dia é me útil na vida presente; mas a vossa caridade prepara me uma coroa para a vida futura.

terça-feira, 12 de setembro de 2017

NOVENA DE SANTA EUFÉMIA | 6.º dia | 12.09.2017

NOVENA DE SANTA EUFÉMIA | 5.º dia | 11.09.2017

NOVENA DE SANTA EUFÉMIA | 4.º dia | 10.09.2017

Passou a noite a rezar a Deus... escolheu 12 Apóstolos

       Jesus subiu ao monte para rezar e passou a noite em oração a Deus. Quando amanheceu, chamou os discípulos e escolheu doze entre eles, a quem deu o nome de apóstolos: Simão, a quem deu também o nome de Pedro, e seu irmão André; Tiago e João; Filipe e Bartolomeu, Mateus e Tomé; Tiago, filho de Alfeu, e Simão, chamado o Zelota; Judas, irmão de Tiago, e Judas Iscariotes, que veio a ser o traidor. Depois desceu com eles do monte e deteve-Se num sítio plano, com numerosos discípulos e uma grande multidão de pessoas de toda a Judeia, de Jerusalém e do litoral de Tiro e de Sidónia. Tinham vindo para ouvir Jesus e serem curados das suas doenças. Os que eram atormentados por espíritos impuros também ficavam curados. Toda a multidão procurava tocar Jesus, porque saía d’Ele uma força que a todos sarava (Lc 6, 12-19).
        A oração, diálogo e intimidade com Deus (Pai) é uma constante na vida de Jesus.
      Nos momentos mais importantes da Sua vida e missão, Jesus é apresentado em oração, por vezes toda a noite. Ora Se retira para o monte, para o deserto (antes da vida pública), ora se retira para um lugar afastado, ora Se afasta dos discípulos e da multidão. O "pão-nosso de cada dia" de Jesus é a oração, a sintonia com Deus, a disponibilidade constante para realizar a vontade do Pai.
       Depois da oração Jesus está mais preparado para a missão. Está mais alerta, mais confiante, mais esclarecido do caminho a seguir.
       É depois da noite de vigília, de oração, que Jesus escolhe 12 Apóstolos de entre os seus muitos discípulos.
       Logo, desce do monte e rodeado dos discípulos, aproxima-se da multidão que chega para O ouvir e ser curada das muitas enfermidades, corporais e espirituais...

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Aniversário do falecimento do Pe. Manuel Pinto Afonso

      Pe. Manuel Pinto Afonso, pároco de Tabuaço durante 37 anos, tendo sido também pároco em Barcos e em Pinheiros. Faleceu há quatro anos.
 
 
 
 
(Padre Manuel Pinto Afonso, na celebração presidida pelo Pe. Marcos, e com a presença do Pe. João Carlos e do actual pároco; nas duas últimas imagens, com o Pe. Cândido, pároco de Sernancelhe, na sua residência)
       
 
Pe. Manuel Pinto Afonso:
       nasceu no dia 18 de Dezembro de 1915, em Cinfães, e foi ordenado sacerdote no dia 7 de Julho de 1940. Faleceu no dia 11 de Setembro de 2011, no Hospital de Lamego, com 95 anos de idade.
       Esteve como formador/professor no Seminário Maior por algum tempo, depois de ter sido ordenado, tendo-se tornado uma referência para o actual Bispo de Lamego, D. Jacinto Tomás de Carvalho Botelho, que via nele um modelo de sacerdote a seguir.
       Foi depois coadjuvar na paroquilidade de Ferreiros, sua terra natal. Na Igreja Paroquial, onde foi baptizado viria acolher o enlace matrimonial dos pais do actual Bispo de Aveiro, D. António Francisco dos Santos, a quem também baptizou.
       Algum tempo depois, foi nomeado pároco de Tendais, também no concelho de Cinfães.
       Entretanto veio para o Concelho/Arciprestado de Tabuaço, assumindo a paroquialidade de Barcos, Adorigo e Santa Leocádia, e colaborando como professor no Externato de Tabuaço. Foi nomeado pároco de Tabuaço, em 1961, assumindo também a direcção do Externato de Tabuaço, sucedendo ao Pe. Abel Ferreira Alves.
       Segundo D. Jacinto, ao longo da sua vida de sacerdote, manifestou uma grande predilecção por Nossa Senhora da Conceição, pelo que a Festa da Imaculada Conceição, Padroeira de Tabuaço, era um dos momentos mais queridos do pároco e da comunidade, bem como a novena que precede a Festa.
 
        Em 8 de Dezembro de 1988, foi benzido o monumento em honra de Nossa Senhora da Conceição, que está sobre a Vila de Tabuaço e que exprime a forte devoção à Padroeira.
       Era um homem de oração e reconhecido pregador. Foi Arcipreste de Tabuaço durante muitos anos. A sua dedicação pastoral traduziu-se também no movimento dos Cursos de Cristandade, que tiveram, por sua iniciativa, uma grande implantação em Tabuaço, tornando-se a Residência Paroquial (actual Centro Paroquial) lugar para as reuniões dos cursistas de Tabuaço, mas também de Arciprestados vizinhos.
       Como professor, foi-lhe reconhecida a mestria nomeadamente em Português (Língua Portuguesa), mas em outras áreas. Aliás, foi com o propósito de ser um dos professores do Externato que terá sido "puxado" para a paroquilidade de Barcos, Adorigo e Santa Leocádia, as paróquias que estavam disponíveis no Arciprestado. Até que veio para a Vila e assumiu a direcção do Externato, onde muitas pessoas prosseguiram os seus estudos, abrindo portas para o futuro profissional.
       Nos últimos anos tinha a colaboração do Pe. Luís na paroquialidade de Tabuaço e Pinheiros. Ou melhor foram constituídos como Equipa Sacerdotal, segundo o Sr. Bispo D. Jacinto, a primeira da Diocese de Lamego, englobando o espaço pastoral: Tabuaço, Pinheiros, Barcos, Adorigo, Santa Leocádia.
       Foi sepultado na sua terra natal, Ferreiros, de Cinfães, no dia 12 de Setembro de 2011, um dia depois da sua morte. Presidiu às Exéquias solenes o Bispo de Lamego, D. Jacinto. Concelebraram o Bispo de Aveiro, D. António, e muitos sacerdotes da Diocese de Lamego, entre os quais os sacerdotes a exercer em Tabuaço, Pe. Luís, actual pároco de Barcos, Adorigo e Santa Leocádia, e que com ele formou equipa sacerdotal durante alguns anos, Pe. Ildo, pároco de Chavães e Arcos, Pe. Filipe, que nos últimos anos ia a sua casa celebrar Eucaristia com ele, o atual pároco de Tabuaço e Pinheiros, Pe. Manuel Gonçalves.
       A Igreja em que nasceu para a fé, estava repleta, de familiares e das pessoas que o acompanharam ao longo dos anos e dele cuidaram, de muitos amigos, a comunidade paroquial de Ferreiros, e da comunidade paroquial de Tabuaço, o Presidente da Câmara Municipal de Tabuaço, Dr. João Ribeiro, uma representação dos Bombeiros de Tabuaço.

Aniversário de D. Jacinto, Bispo Emérito de Lamego

       D. Jacinto Tomaz de Carvalho Botelho, natural de Moimenta da Beira (Prados de Cima - Vila da Rua), nasceu em 11 de Setembro de 1935.
       Entrou para o Seminário de Resende em 1946 e foi ordenado, no dia 15 de agosto de 1958, ano em que morreu o Papa Pio XII. Celebrou os 50 anos de Sacerdócio no dia 15 de agosto de 2008. Depois da Ordenação foi estudar para Roma.
       Concluídos os estudos em História da Igreja, regressou à Diocese de Lamego, concretamente ao Seminário Maior, sendo professor e integrando-se na Equipa Formadora, vindo a assumir a responsabilidade do Seminário. Entretanto, assumiu outras missões, como Vigário Geral Adjunto e Vigário Geral da Diocese. Durante algum tempo foi pároco de Sande (Lamego).
       Foi nomeado Bispo Auxiliar de Braga e a sua ordenação Episcopal, na Sé Catedral de Lamego, foi no dia 20 de janeiro de 1996, dia de S. Sebastião, Padroeiro de Lamego.
       Depois da morte de D. Américo Couto de Oliveira, Bispo antecessor, viria a assumir a responsabilidade da Diocese, tomando posse no dia 19 de março de 2000. No dia 8 de julho de 2000, seria ordenado o primeiro padre, na Diocese, pelas suas mãos, e que é o Pároco de Tabuaço, Pe. Manuel Gonçalves.
       Parabéns D. Jacinto e que a Senhora dos Remédios, a Senhora da Lapa, a Senhora da Conceição, a Senhora da Assunção, a Mãe de Jesus Cristo, continue a velar pelo seu ministério sacerdotal e episcopal.
       Atualmente a residir na cidade de Lamego, é Bispo Emérito deste nossa Diocese, desde o dia 29 de janeiro de 2012, dia da tomada de posse de D. António Couto, como Bispo de Lamego.

Levanta-te, põe-te de pé, estende a mão!

       Jesus entrou numa sinagoga a um sábado e começou a ensinar. Estava lá um homem com a mão direita paralítica. Os escribas e fariseus observavam Jesus, para verem se Ele ia curar ao sábado e encontrarem assim um pretexto para O acusarem. Mas Jesus, conhecendo os seus pensamentos, disse ao homem que tinha a mão paralítica: «Levanta-te e põe-te de pé, aí no meio». O homem levantou-se e ficou de pé. Depois Jesus disse-lhes: «Eu pergunto-vos se é permitido ao sábado fazer bem ou fazer mal, salvar a vida ou tirá-la». Então olhou para todos à sua volta e disse ao homem: «Estende a mão». Ele assim fez e a mão ficou curada. Os escribas e fariseus ficaram furiosos e começaram a falar entre si do que haviam de fazer a Jesus (Lc 6, 6-11).
 
       Jesus entra numa sinagoga, lugar de oração, de escuta da Sagrada Escritura, e de reflexão, para os judeus. Aproveita a ocasião para ensinar. Entre os presentes um homem com a mão direita paralítica. Os doutores da lei e os fariseus estão atentos ao ensino de Jesus mas também aos gestos que Ele possa fazer.
        Jesus não se inibe e chama o homem para que ele fique ainda mais visível, trá-lo para a luz, para o meio, para que todos possam testemunhar, pergunta se é permitido fazer bem ou mal em dia de Sábado, o dia sagrado dos judeus... e cura a mão paralítica.
       Para Jesus, como para os seus seguidores, todos os dias são bons para fazer bem... e todos os dias sãos ruins para fazer mal
       Por outro lado, as curas são sinal da força e presença de Deus em Jesus Cristo, juntamente com os exorcismos e o perdoar pecados.
        A discussão de hoje não se centra tanto na cura do paralítico, mas sobretudo no facto de se realizar a um Sábado. Para os judeus aceitava-se com facilidade que alguém pudesse, inspirado por Deus, ter poderes curativos. Facilmente aceitariam este facto em Jesus. Mas o Sábado é sagrado, motivo para censurarem Jesus.
        Por sua vez, Jesus aproveita para lhes dizer com clareza: o bem não tem dia nem hora, deve fazer-se em todo o tempo. As leis, as tradições, os preceitos não devem servir para escravizar mas para libertar a pessoa.

sábado, 9 de setembro de 2017

Domingo XXIII do Tempo Comum - ano A - 10.09.2017

       1 – Deus nunca desiste de nós. Esta é a história de Deus com os homens. A história da criação e da salvação. Deus não desiste de nós. Criou-nos por amor e por amor nos sustenta na vida. Quer-nos bem, tão bem como um Pai, como um Mãe a um/a filho/a.
       A Sagrada Escritura coloca em evidência a ligação íntima de Deus com a Humanidade. As alianças renovam-se. Com Adão e Eva. Com Caim. Com Noé. Com Abraão. Com Isaac e Israel (Jacob). Com Moisés e com Josué. Com David e com Salomão. Com os Juízes e com os Profetas. Deus não desiste. Insiste sem forçar. Uma e outra vez. Quebrada uma Aliança, poderia alhear-Se para sempre! Mas como poderia abandonar a obra criada pelas Suas mãos?
       Chegada a plenitude dos tempos envia-nos o Seu próprio Filho para n'Ele nos mostrar o Seu amor, a Sua ternura, a Sua complacência. Em Jesus Cristo visualiza-Se Deus, a Sua misericórdia, a Sua bondade. Sem arrogância, sem vícios de poder e prepotência. Pelo serviço, pela humildade, pela compaixão. Sempre. Em todos os momentos. Resistindo a todos os ataques e a todas as armadilhas. Levando a Boa Notícia a todos os recantos, aos pobres, às mulheres, aos estrangeiros, aos publicanos e pecadores. Sem medo de contágios! Pelo contrário, tentando a todos contagiar para o Reino de Deus, que se anuncia e se testemunha pela atração, como desafia Bento XVI, por atração materna, como acrescenta o Papa Francisco.
       Jesus é acusado de comer com publicanos e pecadores, de andar em má companhia, com pessoas de índole duvidosa, com gestos que revoltam as autoridades políticas e religiosas. Faz-Se pobre para nos enriquecer com a Sua pobreza, pobreza que nos coloca no coração de Deus, dilatando o nosso coração e estendo o nosso amor para todos, a começar pelos que estão à nossa beira, dentro de portas.
       2 – Perdoar? Sempre. 70X7. Em todas as ocasiões. Só o pecado contra o Espírito Santo não tem perdão, ou por outras palavras, a contumácia, o orgulho, a autossuficiência, a sobranceria, o ensimesmamento, o fechar-se conscientemente a qualquer luz, a toda a verdade, a toda a ajuda.
       Quando Pedro pergunta a Jesus se se deve perdoar até 7 vezes, ele julga que está a ser muito generoso. Perdoar uma vez é razoável. Perdoar duas vezes é bondade. Perdoar três vezes é a conta que Deus fez, já começa a ser abuso. Ora a resposta de Jesus vai muito além. Sete vezes já era perdoar sempre. Perdoar 70X7? É melhor não fazer as contas! Jesus também não as faz. Por alguma razão dizemos que errar é humano e perdoar é divino. Ainda que humano seja amar e errar seja, muitas vezes, desumano. Perdoar eleva-nos, projeta-nos para outro nível de compromisso, que nos obriga a superar gostos e preferências, a tolerar nos outros o que gostávamos que tolerassem em nós, a compreender as fragilidades alheias e amar além dos defeitos e insuficiências.
       As comunidades cristãs dos primeiros tempos, concretamente a comunidade de onde Mateus escreve e nos dá a sua versão do Evangelho, procura ser fiel à mensagem de Jesus: perdoar sempre. Não julgueis. Não condeneis. A quem te bater numa face oferece também a outra. Reza por aqueles que te maldizem. Abençoa os que te perseguem. A quem te pedir a capa dá também a túnica. Não matarás. Não te irrites contra o teu irmão. Se o teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa a tua oferta no altar e vai reconciliar-te com ele. A Eucaristia reconcilia-nos, senta-nos à mesa com Jesus, une-nos aos outros. Mas a Eucaristia vale enquanto nos converte, nos irmana e nos faz dar passos concretos para vivermos em harmonia, como família, apesar das dificuldades, das diferenças e das fragilidades que nos caracterizam.
       3 – O texto do Evangelho exprime não apenas a Mensagem de Jesus, mas o acolhimento das Suas palavras por parte da comunidade cristã, daqueles e daquelas que decidiram segui-l'O e viver como comunidade, pondo em prática os Seus ensinamentos e imitando o Seu proceder.
       A comunidade procura ver, traduzir, atualizar e concretizar tudo o que vem da parte do Senhor Jesus: «Se o teu irmão te ofender, vai ter com ele e repreende-o a sós. Se te escutar, terás ganho o teu irmão. Se não te escutar, toma contigo mais uma ou duas pessoas, para que toda a questão fique resolvida pela palavra de duas ou três testemunhas. Mas se ele não lhes der ouvidos, comunica o caso à Igreja; e se também não der ouvidos à Igreja, considera-o como um pagão ou um publicano».
       O Mestre da Sensibilidade dirige-se aos Seus discípulos. Melhor, aqueles que se apresentam como Seus discípulos têm de considerar (sempre) a opção pelo perdão, pelo serviço, pela reconciliação. Uma e outra vez. E outra vez ainda! Descrição. Bom senso. Equilíbrio. Respeito pela pessoa que está à frente. Já me cansei de repetir que quem enche a boca com a própria frontalidade, entendida como dizer sempre tudo o que lhe dá na real gana, independentemente de quem esteja à frente, não passa de uma criança mimada, que diz tudo, sempre oportuna e inoportunamente, uma criança a quem tiraram o brinquedo. Mas a criança é criança, é ingénua, está a aprender, a crescer. No adulto essa atitude revela infantilidade. Quem está à nossa frente não é um saco de boxe em quem descarregamos a nossa azia, o nosso azedume com a vida. Ser frontal não é isso. Ser frontal é ser verdadeiro, mas respeitar o outro como pessoa, como rosto e presença de Deus. E a azia com que tratamos os outros, não é azia com que tratemos Jesus.
       Correção fraterna. Se tens que corrigir, corrige a sós, discretamente. Se não houver avanços, pede ajuda a uma ou duas pessoas. Não, não desistas, nem à primeira nem à segunda. Recorre à Igreja, será mais uma ajuda. Falamos habitualmente em segunda oportunidade. A comunidade cristã daqueles dias percebe que terá que dar segundas e terceiras oportunidades e não desistir às primeiras dificuldades e contratempos.

       4 – Com efeito, somos responsáveis uns pelos outros. Sempre. Se nos calarmos por preguiça ou por conveniência; ou se as nossas palavras afastarem, maldizendo e excluindo, contribuímos para a perda dos nossos irmãos.
       Temos o poder para unir, para ligar a própria terra ao Céu. «Tudo o que ligardes na terra será ligado no Céu; e tudo o que desligardes na terra será desligado no Céu». A comunidade continua a escutar a mensagem de Jesus: «Se dois de vós se unirem na terra para pedirem qualquer coisa, ser-lhes-á concedida por meu Pai que está nos Céus. Na verdade, onde estão dois ou três reunidos em meu nome, Eu estou no meio deles». Se num primeiro momento se vislumbra a necessidade da comunidade, formada por pessoas, ter regras, para persistir e sobreviver como comunidade, logo depois sobrevém o ensinamento de Jesus: se nos unirmos para nos ajudarmos mutuamente também Deus nos ajudará, Ele está no Meio, congregando-nos. Poderíamos começar por aqui: colocar Jesus no centro, no meio, e reunirmo-nos à Sua volta.
       O Profeta Ezequiel, na primeira leitura, mostra a responsabilidade para todos, especialmente para com o pecador. Não nos cabe dizer mal, mas alertar, cuidar, prevenir. Se não o fizermos, sabendo que está no mau caminho, Deus responsabiliza-nos por tal. «Sempre que Eu disser ao ímpio: ‘Ímpio, hás de morrer’, e tu não falares ao ímpio para o afastar do seu caminho, o ímpio morrerá por causa da sua iniquidade, mas Eu pedir-te-ei contas da sua morte».

       5 – O Salmo e a segunda leitura afinam pelo mesmo diapasão. Com o salmo respondemos à palavra de Deus com a própria Palavra de Deus. Mas fica o desafio: se hoje ouvirmos a voz do Senhor não fechemos os nossos corações. Os ouvidos até podem já não ajudar, mas que o coração não dificulte.
       A segunda leitura aviva o mandamento novo, lembrando-nos as palavras de Jesus e dizendo-nos que todos os mandamentos nos ligam aos outros e nos levam a amá-los como a nós mesmos. Vale a pena reter e sublinhar a expressividade do apóstolo: «Não devais a ninguém coisa alguma, a não ser o amor de uns para com os outros, pois, quem ama o próximo, cumpre a lei... A caridade não faz mal ao próximo. A caridade é o pleno cumprimento da lei». Tudo dito!


Pe. Manuel Gonçalves




Textos para a Eucaristia (ano A): Ez 33, 7-9; Sl 94 (95); Rom 13, 8-10; Mt 18, 15-20.

NOVENA DE SANTA EUFÉMIA | 3.º dia | 09.09.2017

O Filho do homem é senhor do sábado

       Passava Jesus através das searas num dia de sábado e os discípulos apanhavam e comiam as espigas, debulhando-as com as mãos. Alguns fariseus disseram «Porque fazeis o que não é permitido ao sábado?». Respondeu-lhes Jesus: «Não lestes o que fez David, quando ele e os seus companheiros sentiram fome? Entrou na casa de Deus, tomou e comeu os pães da proposição, que só aos sacerdotes era permitido comer, e também os deu aos companheiros». E acrescentou; «O Filho do homem é senhor do sábado» (Lc 6, 1-5).
       Jesus não é, de modo nenhum, anarquista ou reacionário. No entanto, aproveita diversas ocasições para alertar que a lei ordena a convivência social e religiosa, procurando, precisamente, o bem de todos, a harmonia, a paz, a justiça, um sentido para a vida. Quando a lei impede ou dificulta a sadia relação entre as pessoas, e o crescimento das mesmas, deverá ponderar-se se a lei é necessária, ou se mais importante são as pessoas.
       A lei está ao serviço da vida, ao serviço das pessoas, ao serviço da dignidade. E nunca a pessoa ao serviço da lei. A lei é um intrumento a favor das pessoas. Não pode ser a pessoa a transformar-se em intrumento a favor da lei. E bem sabemos como há leis injustas e imorais, leis que dificultam a dignidade e promovem a destruiçãoda vida ou a dimunuição da qualidade da vivência humana.
       Uma lei é o argumento para lançarem mais uma cilada a Jesus: como é que em dia de sábado os discípulos apanhavam algumas espinhas, debulhavam-nas e comiam os grãos. A lei permitia o que eles vinham fazendo. E no tempo de muita carestia, e em longas jornadas, seria uma forma de enganar o estômago que todos compreendiam. Por isso também estava na lei. Agora comer os grãos dedebulhados ao sábado é que não lhes parecia lá muito bem.
       A resposta da Jesus baseia-se em acontecimentos narrados na Bíblia, no bom senso, e naquilo que é verdadeiramente importante: a pessoa humana.

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

NOVENA DE SANTA EUFÉMIA | 2.º dia | 8.09.2017

Natividade de Nossa Senhora

Nota Histórica:
       A vinda do Filho de Deus à terra, foi preparada, pouco a pouco, ao longo dos séculos, através de pessoas e acontecimentos. Entre as pessoas escolhidas por Deus para colaborarem no Seu projecto de salvação, houve uma, à qual foi confiada uma missão única: Maria, chamada a ser a Mãe do Salvador e cumulada, por isso, de todas as graças necessárias ao cumprimento dessa missão.
       O nascimento de Maria foi, portanto, motivo de esperança para o mundo inteiro: anunciava já o de Jesus. Era a autora da salvação a despontar; «Ela vem ao mundo e com Ela o mundo é renovado. Ela nasce e a Igreja reveste-se da sua beleza». (Liturgia bizantina).
       Felicitando a Mãe do Salvador, no dia do Seu aniversário natalício, peçamos a graça de à Sua semelhança, colaborarmos, generosamente, na salvação do mundo.
(Domenico Ghirlandaio, Cappella Tornabuoni, Santa Maria Novella, Florença)

Oração (de coleta):
       Dai, Senhor, aos vossos servos o dom da graça celeste e fazei que a festa do nascimento da bem-aventurada Virgem Maria, cuja maternidade divina foi o princípio da nossa salvação, aumente em nós a unidade e a paz. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.
Dos Sermões de Santo André de Creta, bispo

O que era antigo passou. Tudo se renova 

Cristo é o fim da lei; Ele nos faz passar da escravidão da lei para a liberdade do espírito. N’Ele está a perfeição da lei, porque, sendo o supremo legislador, deu pleno cumprimento à sua missão, transformando em espírito a letra da lei e recapitulando em Si todas as coisas. A lei foi vivificada pela graça e foi posta ao seu serviço, formando com ela uma composição harmoniosa e perfeita. Cada uma delas conservou as suas características próprias, sem alteração nem confusão; mas o que na lei havia de penoso e servil tornou se, por uma transformação divina, fonte de suavidade e liberdade, e deste modo, como diz o Apóstolo, já não somos escravos dos elementos do mundo, nem oprimidos pelo jugo da letra da lei.
O mistério de Deus que Se faz homem e a consequente divinização do homem assumido pelo Verbo representam o compêndio perfeito dos benefícios de Cristo em nosso favor e o aniquilamento de toda a vã presunção da natureza humana. Mas convinha que a esplendorosa e surpreendente vinda de Deus aos homens fosse precedida por uma alegria especial que nos preparasse para o dom grandioso e admirável da salvação. Este é o significado da festa que hoje celebramos, porque o nascimento da Mãe de Deus é o princípio desses bens prometidos, princípio que terá o seu termo e conclusão na predestinada união do Verbo com a carne. Hoje nasce a Virgem Maria; será amamentada e crescerá, preparando se deste modo para ser a Mãe de Deus, Rei de todos os séculos. 
Deste nascimento nos vem um duplo benefício: por um lado, eleva-nos ao conhecimento da verdade; e por outro, liberta nos de uma vida escravizada à letra da lei. De que modo e em que condições? A luz dissipa as trevas e a graça liberta nos da escravidão da lei. Esta é uma solenidade de confins entre o Antigo e o Novo Testamento: a verdade substitui os símbolos e as figuras, e a nova aliança substitui a antiga.
Cantem e exultem todas as criaturas e participem condignamente na alegria deste dia. Juntem-se nesta celebração festiva os céus e a terra, tudo o que há no mundo e acima do mundo. Porque hoje é o dia em que o Criador do universo edificou o seu templo; hoje é o dia em que a criatura prepara uma nova e digna morada para o seu Criador.

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

NOVENA DE SANTA EUFÉMIA | 1.º dia | 7.09.2017

Faz-te ao largo e lançai as redes para a pesca

       "Estava a multidão aglomerada em volta de Jesus, para ouvir a palavra de Deus. Ele encontrava-Se na margem do lago de Genesaré e viu dois barcos estacionados no lago. Os pescadores tinham deixado os barcos e estavam a lavar as redes. Jesus subiu para um barco, que era de Simão, e pediu-lhe que se afastasse um pouco da terra. Depois sentou-Se e do barco pôs-Se a ensinar a multidão. Quando acabou de falar, disse a Simão: «Faz-te ao largo e lançai as redes para a pesca». Respondeu-Lhe Simão: «Mestre, andámos na faina toda a noite e não apanhámos nada. Mas, já que o dizes, lançarei as redes». Eles assim fizeram e apanharam tão grande quantidade de peixes que as redes começavam a romper-se. Fizeram sinal aos companheiros que estavam no outro barco para os virem ajudar; eles vieram e encheram ambos os barcos de tal modo que quase se afundavam. Ao ver o sucedido, Simão Pedro lançou-se aos pés de Jesus e disse-Lhe: «Senhor, afasta-Te de mim, que sou um homem pecador». Na verdade, o temor tinha-se apoderado dele e de todos os seus companheiros, por causa da pesca realizada. Isto mesmo sucedeu a Tiago e a João, filhos de Zebedeu, que eram companheiros de Simão. Jesus disse a Simão: «Não temas. Daqui em diante serás pescador de homens». Tendo conduzido os barcos para terra, eles deixaram tudo e seguiram Jesus" (Lc 5, 1-11).
       A multidão segue Jesus. Procuremos situar-nos naquele tempo, no meio daquela multidão. Alguns de nós estaríamos pela primeira vez, outras vinham acompanhando Jesus há vários dias, outros já tinham ouvido falar d'Ele, outros tinham-se cruzado com Ele em outras cidades e aldeias.
       E o que é que estamos a fazer junto de Jesus? Nem todos estaremos pelas mesmas razões, cada um leva a sua vida. Segundo o próprio evangelista a multidão está ali aglomerada para ouvir Jesus. Da Sua boca saem palavras de desafio e de esperança.
       Todos podem ser cooperadores de Jesus Cristo e da Boa Notícia. Os pescadores já estão a lavar os barcos. Jesus sobre para o barco de Simão, para criar as melhores condições para a pregação e para a escuta. Senta-Se e do barco põe-se a ensinar a multidão.
       Segundo momento, diz a Simão para lançar as redes ao mar, como se fosse um entendido em pescaria. Pedro coloca a suas reservas/dúvidas, tal como faria cada um de nós se fosse pescador. Pedro entendia mais de pesca que Jesus. Como é que Este convida a pescar durante o dia. Mas o benefício da dúvida, já que o dizes, nós faremos como dizes. E lançaram as redes ao mar. E não é que a pescaria foi abundante!
       Mais vale quem Deus ajuda do que quem muito madruga. Sem Deus a pesca, a vida, é vazia, insignificante. Com Deus toda a pesca é abundante. Deus conta que façamos a nossa parte. O milagre não é "gratuito", pressupõe a fé e o empenho. Ele conta com o nosso barco, com as nossas redes, com os nossos braços, para lançar as redes e para pescar.
       A Pedro, como a outros, o desafio vai ainda mais longe: doravante serás pescadores de homens. Maior exigência. trabalho constante. Uma certeza: se Deus está connosco a pesca vai ser abundante.

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Tu és o Filho de Deus

       Jesus saiu da sinagoga e entrou em casa de Simão. A sogra de Simão estava com febre muito alta e pediram a Jesus que fizesse alguma coisa por ela. Jesus, aproximando-Se da sua cabeceira, falou imperiosamente à febre, e a febre deixou-a. Ela levantou-se e começou logo a servi-los. Ao pôr do sol, todos os que tinham doentes com diversas enfermidades traziam-nos a Jesus e Jesus, impondo as mãos sobre cada um deles, curava-os. De muitos deles saíam demónios, que diziam em altos gritos: «Tu és o Filho de Deus». Mas Jesus, em tom severo, impedia-os de falar, porque sabiam que Ele era o Messias. Ao romper do dia, Jesus dirigiu-Se a um lugar deserto. A multidão foi à procura d’Ele e, tendo-O encontrado, queria retê-l’O, para que não os deixasse. Mas Jesus disse-lhes: «Tenho de ir também às outras cidades anunciar a boa nova do reino de Deus, porque para isto fui enviado». E pregava pelas sinagogas da Judeia (Lc 4, 38-44).
        O ministério de Jesus realiza-se a toda a brida.
       Antes Jesus expulsa um espírito impuro. Hoje, a cura da sogra de Pedro, mas também de todos os doentes e enfermos que trazem até Ele. São sinais de que o poder de Deus está com Ele. Cura, perdoa e expulsa demónios. Mas, além, disso, não descura a pregação.
       O Evangelho de hoje, claramente, mostra que a presença de Jesus no meio de nós é bênção e é cura das nossas enfermidades e que nas Suas palavras podemos de facto encontrar a salvação e testemunhá-la aos outros, procurando, cada um de nós, assumirmo-nos como bênção uns para os outros, procurando curar cada coração ferido que se aproximar e expulsar do meio de nós todos os demónios que nos é possível. Jesus conta connosco. Hoje, Ele cura através de nós. Expulsa as forças do mal, através de nós.